quarta-feira, 18 de abril de 2018

Descoberta de novos geoglifos em Nazca aprofunda mistérios sobre seu significado.

Com o uso de drones, uma equipe de cientistas que estuda o deserto de Nazca, no sul do Peru, encontrou mais de 50 novos geoglifos gravados sobre o terreno. São figuras esculpidas há mais de mil anos com fins presumidamente rituais.
Vídeo relacionado:

Os novos geoglifos podem ser ainda mais antigos que os gravados pela cultura originária de Nazca. As obras seriam das civilizações Paracas e Topará, que remontam até 500 anos antes da Era Cristã.
“Isso significa que uma tradição de mais de mil anos precede os famosos geoglifos da cultura Nazca, o que abre portas a novas hipóteses sobre sua função e significado”, explicou Johny Isla, arqueólogo do Ministério da Cultura do Peru.
A descoberta soma ainda mais mistério às já enigmáticas linhas de Nazca. Ainda não se explica como essas antigas civilizações puderam realizar semelhante obra sem observá-la do ar. Os novos geoglifos, por exemplo, nunca haviam sido descobertos, e só o foram agora pelo uso de drones e câmeras de alta resolução”. 
Fonte: Science Alert
Imagem: Fotos593/Shutterstock.com
 nossa fonte: https://seuhistory.com/noticias/descoberta-de-novos-geoglifos-em-nazca-aprofunda-misterios-sobre-seu-significado

sexta-feira, 13 de abril de 2018

Declaração de Guerra.

Nesta sexta-feira 13/04/2018, o Presidente Donald Trum, apoiado pelo Reino Unido e pela França, declarou guerra e iniciou ataques contra a Síria, que é apoiada pela Rússia. 

Um dos motivos antecessores foi o uso de armas químicas e biológicas.

Declaração de Guerra: USA, Reino Unido e França X Síria e Rússia.


vamos atualizando....

quinta-feira, 12 de abril de 2018

HOLI – Festival Indu de Boas Vindas a Primavera na Índia.



Holika é o nome original do festival hindu mais antigo. O evento é comemorado para dar as Boas Vindas para a Primavera na Índia. Este festival ocorre sempre no mês de março. O festival homenageia o deus Krishna e teve início como uma festa do triunfo do bem sobre o mal. Também promove a renovação dos relacionamentos de todas as castas e classes sociais com música, dança e pó. Os participantes pintam-se e lançam pós coloridos ao ar, chamados Gulal. Neste dia, todas as pessoas são iguais, sem diferenciação e preconceito de castas. Holi, também chamado de Festival das Cores, acontece na Índia, SurinameGuianaTrindadeReino UnidoIlhas Fiji e no Nepal. O principal dia, Holi, também conhecido como Dhulheti, Dhulandi ou Dhulendi, é celebrado por pessoas que atiram água e pó colorido uns aos outros. As pessoas cumprimentam-se dizendo “Holi Hai”. Holi é comemorado no dia de lua cheia do mês de Phalugna ou Falguna (Phalgun Purnima), que geralmente cai em fim de fevereiro ou março.
No final do festival, efígies de Holika são queimadas e os hindus acreditam que essas cinzas trazem boa sorte. Depois dos folguedos e muitas cores pelo corpo as pessoas se arrumam para encontrar amigos e parentes e trocar doces. Em algumas vilas da Índia, grupos de homens vão de casa em casa cantando e tocando músicas tradicionais, eles ficam nas portas das casas tocando até que o anfitrião traga alguma comida para eles. Tato faz o anfitrião trazer comida, como suja-los com mais tinta.
Os historiadores contam que o Holi acontece muitos séculos antes de Cristo e são muitas as lendas que explicam o seu aparecimento, em geral remetendo ao temível Rei Hiranyakashyap. Muito vaidoso, ele queria que todos no seu reino o adorassem, mas foi justamente o seu filho Prahlad quem resolveu adorar uma entidade diferente, chamada Vishnu . Hiaranyakashyap combinou com a sua terrível irmã Holika, que tinha o poder de não se queimar, que ela entraria numa fogueira com Prahlad em seus braços para matá-lo. Mas foi Holika quem morreu carbonizada por não saber que o seu poder de enfrentar o fogo seria anulado quando entrasse na fogueira acompanhada de outra pessoa. O deus Vishnu reconheceu a bondade e devoção de Prahlad e salvou-o. O festival, portanto, celebra a vitória de um deus contra o outro e o triunfo da devoção do bem. A tradição da queima Holika ou o "Holika Dahan" vem a partir desta lenda.
Holi celebra também a lenda de Radha e Krishna, que descreve o extremo prazer que Krishna teve na aplicação de cor sobre Radha e Gopis. Esta brincadeira de Krishna mais tarde, tornou-se uma tendência e uma parte das festividades do Holi.

Fontes: oglobo.com, wikipedia,holifestival,  

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Cientistas encontram calendário inca no deserto do Atacama.



Um grupo de pesquisadores descobriu no deserto do Atacama, no Chile, diversas saywas ou calendários de pedra, estruturas que os Incas usavam para identificar eventos astronômicos. As quatro saywas, que foram descobertas a 4.200 metros de altitude, estavam perfeitamente alinhadas com o ponto de saída do sol no equinócio de outono e no solstício de inverno.

“Através da sombra que projetam sobre o solo durante a saída do sol, as saywas permitem identificar e prever equinócios, solstícios e outros eventos astronômicos”, disse o comunicado do observatório ALMA (Atacama Large Millimeter/submillimeter Array). Após as análises, os cientistas afirmaram a hipótese de que as estruturas não se encontram apenas em grandes cidades, como ainda se acreditava.
Os estudos também comprovaram a precisão com que os incas poderiam prever fenômenos naturais há mais de 500 anos. “As saywas demonstram que os povos pré-colombianos davam tanto ou mais preponderância ao céu do que nos dias de hoje”, disse Juan Cortés, astrônomo do ALMA.
nossa fonte: https://www.traduzca.com/cientistas-encontram-calendario-inca-no-deserto-do-atacama/

sábado, 7 de abril de 2018

Menina de seis anos encontra fóssil de milhões de anos enquanto brincava.

FÓSSEIS

Menina de seis anos encontra fóssil de milhões de anos enquanto brincava




quarta-feira, 4 de abril de 2018

Misterioso manuscrito do Mar Morto relata passagem diferente sobre Noé.

A BÍBLIA


Misterioso manuscrito do Mar Morto relata passagem diferente sobre Noé

Um dos mais misteriosos pergaminhos do Mar Morto está sendo exibido pela primeira vez em Israel. Estima-se que a relíquia seja do século I antes de Cristo. Escrito em aramaico, o texto contém do capítulo 5 ao 15 do primeiro livro do Gênesis.

O texto apócrifo foi encontrado em 1947 em uma caverna do deserto da Judeia. O documento traz um trecho da Bíblia que fala sobre Abraão e Noé, mas narrado com diferenças significativas da versão canônica. Ao contrário do Gênesis, o manuscrito conta que Noé fez um sacrifício a Deus ainda dentro da arca. No texto consagrado, o patriarca realiza o sacrifício assim que sai da arca com sua família, após erigir um altar. 
O manuscrito estava guardado em uma câmara climatizada construída especialmente para abrigar os delicados documentos encontrados nas cavernas de Qumran. A relíquia estava em péssimo estado de conservação, por isso nunca havia sido exposta pelo Museu de Israel. Os especialistas lidaram durante anos com a decomposição do texto.
Para não comprometer o frágil manuscrito durante a exposição, os especialistas criaram uma espécie de redoma especial, coberta com um vidro inteligente. O vidro é composto por duas camadas que permitem a passagem de um feixe de luz entre elas. Quando se aperta um botão, o pergaminho fica visível por apenas 30 segundos, mas nunca é iluminado diretamente.
Fonte: El País
Imagem: photostockam/Shutterstock.com
nossa fonte: https://seuhistory.com/noticias/misterioso-manuscrito-do-mar-morto-relata-passagem-diferente-sobre-noe

terça-feira, 3 de abril de 2018

Cientistas descobrem pegadas de 13 mil anos no Canadá.

Estudos sobre como o ser humano apareceu na Terra, se espalhou e se desenvolveu pelo planeta são realizados a todo momento, e sempre aparece uma nova descoberta. A mais recente mostra como o homem chegou ao continente americano há mais de 13 mil anos, no fim da última Era do Gelo. A descoberta foi feita no Canadá e publicada na revista Plos One, no final de março.
Liderada por Duncan McLaren, a pesquisa contou com a participação de cientistas da Universidade Victoria e confirmou a descoberta de 29 pegadas sob sedimentos em uma ilha da Colúmbia Britânica, localizada na costa canadense do Oceano Pacífico. Esta descoberta fez com que o grupo chegasse à conclusão de que o homem chegou ao nosso continente pela região que estava saindo da última glaciação registrada.
Na publicação da pesquisa, McLaren explica que “esse artigo detalha a descoberta de pegadas na costa oeste do Canadá, e as datações com radiocarbono mostraram que elas foram deixadas ali há 13 mil anos. Essa descoberta fornece uma evidência de que povos navegadores habitaram essa área no final da última grande glaciação”, e que pegadas de três tamanhos diferentes foram catalogadas, provavelmente de um casal adulto e uma criança – descalços – através de fotos digitalizadas.
A principal teoria defendida pelo grupo é que os primeiros humanos vieram da Ásia pela costa do Pacífico, utilizando uma ponte terrestre que ligava os dois continentes. Isso só foi possível porque o nível dos oceanos era muito mais baixo que atualmente, devido à grande presença de geleiras.
Grupos de cientistas já trabalhavam com a teoria de que o homem teria chegado ao continente por essa região, mas não havia provas concretas até agora, pois o local é coberto por densas florestas, e o acesso somente é possível por barco ou helicóptero.
nossa fonte: https://www.traduzca.com/cientistas-descobrem-pegadas-de-13-mil-anos-no-canada/